1078f5_6c363ca81d9f681f3ce6bea1f05590e3É difícil falar da gente, quando parece que a gente mesmo nem se conhece tanto quanto deveria se conhecer…

Resolvi fazer esse blog porque, apesar de ser uma adulta, ainda tem muitas futilidades que eu amo ler, falar, comprar … Por um lado está minha formação em Direito misturada com minha paixão por moda, livros, filmes e fotos. De outro, minha energia em dar valor para o dinheiro (pão dura mesmo) rs. Uni tudo isso e se transformou em uma vontade imensa desde menina em encontrar peças de roupas maravilhosas a um preço justo para o meu bolso, ou até mesmo encontrar alternativas de tratamentos de beleza que são eficazes e ao mesmo tempo baratos. Tudo isso requer mais tempo e energia do que fazer compras na Chanel, eu sei, mas faço com amor e compartilho todas as minhas experiências no CG .. no final das contas, o blog virou uma mistura de tudo que eu gosto, junto com tudo o que eu sinto.

O Blog: O Café com Glitter é um blog de moda,beleza, tendências e comportamento que diariamente atualiza os internautas sobre tudo o que acontece no mundo da moda, com looks do dia, viagens, dicas naturais de beleza, decoração, moda acessível, make-up, internet e consumo. O foco do blog é compartilhar (e provar) que é sim, possível se vestir bem, cuidar dos cabelos, pele e corpo sem gastar todo o seu dinheiro com isso.

O nome surgiu de um costume que eu tinha em meu escritório, “na pausa do trabalho era a hora do café e revistas de moda”, entre muitos cafés e revistas, surgiu o Café com Glitter.

Quem é a Priscilla Rhein. O que responder? Apesar de já ter tempo de vida suficiente para saber cada detalhe da minha personalidade, ainda me surpreendo. Pisciana que sou, me considero volúvel muitas vezes. Mudo de opinião conforme a lua. Meu humor também é oscilante. Basta ter que ficar em algum lugar, ou ter que fazer algo sem ter vontade, para eu virar um dos meus ídolos, o “Smurf Resmungão”, odiando até o céu azul! Infelizmente, algumas pessoas me conhecem exatamente nesta hora da nuvem negra… acabam recebendo alguns raios e indo embora para sempre. Outras, para minha sorte (ou para sorte delas), me encontram em um bom momento… me visto de Poliana e mostro só o que eu tenho de melhor.
Eu tenho um mundo paralelo, pra onde vou quando a coisa fica muito chata. Fujo do sofrimento o quanto posso, mas quando ele me pega, passo horas enclausurada em meu “quarto – castelo encantado – esconderijo”, curtindo a tristeza até ela se esgotar e transformar textos.

Ainda escuto músicas teens, como brigadeiro e leio revistinhas da Mônica. Costumo pensar por escrito. Acho que “quanto mais doce melhor”, seja sobremesa, perfume, vinho ou pessoas.

Adoro ver filmes de amor, tomar banho de banheira, ler livros de menina, ir no cinema, conversar com meus cachorros, ver seriados da Sony e Warner, fazer pedidos pra anjos, ouvir por 21 vezes seguidas a mesma música que me faça lembrar do meu amor, passar horas na frente do computador, dias de sol, dias chuvosos, cantar dirigindo, cantar andando, cantar em qualquer hora ou lugar, sentar com minha amiga Daia em um café, passear em Camburi, techno, cachorros, peças, jantar com a minha filha e o Nico, almoçar com o meu pais, acordar com beijos do Denis (meu eterno namorado), dançar, cabeleireiro, fazer massagem, ir ao shopping, comprar, comprar e comprar, promoções da Gol, colecionar filmes de amor, luas e estrelas, fondues de queijo em noites de inverno, filet mignhon à 4 queijos e pizza de berinjela. Amo meu amor, minha filha e minha família.

Odeio acordar cedo, borboletas pretas (bruxas), acampar, água gelada, mosquitos, gente pretensiosa, gente sem personalidade, musica sertaneja, levar bolo, sentir dor, pessoas que prometem e não cumprem, telefones ocupados, vendedoras chatas, engordar, spam, desfazer mala, marimbondos, música que gruda na cabeça, críticas (inclusive as construtivas), mal-entendidos, sentir saudade, filas, compromissos inadiáveis, despedidas.

Acredito em Príncipe Encantado, podendo ele chegar ou não de cavalo, desde que venha com flores na mão. A primeira coisa que eu noto em uma pessoa é o sorriso. E foi por exatamente isso que eu me apaixonei pelo Denis. Adoraria ter nascido no século XIX, quando tudo era mais romântico. Não tenho o mínimo senso de direção. Espero poder realizar na vida pelo menos um dos meus sonhos e fazer o possível para realizar também o das outras pessoas. Não sei onde eu vou estar daqui a 10 anos mas espero que eu não perca a esperança e continue a saber o que hoje já sei.